JANAÚBA — Os lixões espalhados por alguns municípios que compôem a região da Serra Geral de Minas estão com seus dias contados. Pelo menos no que depender do Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento Sustentável da Região da Serra Geral de Minas (União da Serra Geral), que já está em fase avançada de implantação nesta parte do Estado de uma usina de resíduos sólidos.
E o que é melhor, grande parte deste lixo, ou a sua totalidade pode virar energia elétrica para consumo nas escolas, postos de saúde, prefeituras e outros prédios públicos.

O Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento Sustentável da Região da Serra Geral de Minas (União da Serra Geral) está à frente desta proposta e, pretende implantar o serviço através de parceria público-privada (PPP). Os estudos do projeto para esta implantação se encontram bastante avançados.

De acordo com Leonardo Santos, diretor executivo do IPGC ( Instituto de Planejamento e Gestão de Cidades) o referido projeto se encontra em uma etapa importante e já resolutiva, tendo entrado na fase de estudos de viabilidade para apontar caminhos. São mais de 200 páginas de estudos, segundo ele, com todas as análises técnicas. Ele, inclusive, esteve esclarecendo aos prefeitos durante reunião do Consórcio União da Serra Geral, pontos importantes desta proposta. Os prefeitos, encabeçados pelo presidente do Consórcio, Eujácio Rodrigues ouviram atentamente e deram o ok para continuidade ao processo.

Segundo Leonardo Santos, encerrada esta fase de estudos, agora será implantada a fase de modelagem, para poder colocar todo o conteúdo para apreciação e abertura do processo licitatório em busca do financiador do projeto. Ele garante que tudo correndo dentro das expectativas a proposta seria viabilizada já em 2022, com a usina entrando em operacionalização.

A ideia inicial é buscar tecnologia do sistema industrial para a destinação dos resíduos sólidos, uma vez que os municípios têm um prazo determinado para eliminar seus lixôes e até mesmo aterros sanitários para atender às normas legais. Prazo este que, em algumas cidades já estão se esgotando. Como é o caso do município de Janaúba, por exemplo, o maior da região da Serra Geral.
Segundo o prefeito janaubense, Carlos Isaildon Mendes, sua necessidade “é urgente, urgentíssima”. Ele atesta que busca alternativas para destinação do lixo local, uma vez que seu atero sanitário controlado encontra-se com capacidade no limite e vê nesta proposta do Consórcio uma grande saída para o grave problema enfrentado. Atualmente Janaúba produz cerca de 70 toneladas de lixo/dia e seu aterro não comporta mais esta demanda. Estima-se que cada habitante produza um quilo de lixo por dia.

ENERGIA — Segundo o presidente do União da Serra Geral, Eujácio Rodrigues, além de resolver os problemas relacionados à destianação do lixo, a instalação desta usina ainda poderia ajudar a economizar energia elétrica dos órgãos públicos existentes nos municípios. A ideia da usina de geração de energia através da utilização do lixo é boa em todos os sentidos, e reforça o caminho da inovação que a gestão do Consórcio União da Serra Geral está trilhando em parcerias. Com a energia gerada pelo lixo trabalhado na usina os municípios envolvidos economizariam com energia e aterro sanitário.

A criação da usina, batizada de Unidade de Valorização Energética de Resíduos Sólidos Urbanos (Uver), os caminhões de lixo vão diretamente para a Uver, em vez de irem para o aterro sanitário, que transforma o lixo em energia elétrica.

O presidente lembra que o lixo pode se tornar uma fonte de energia limpa que vai diminuir os gastos das prefeituras com energia elétrica nas suas edificações.

“Ao mesmo tempo, dá uma destinação adequada a parte do lixo produzido nas cidades, gerando uma razoável economia com os gastos públicos, melhorando a qualidade da gestão pública. A região da Serra Geral terá a possibilidade de gerar energia de forma limpa através da utilização do lixo. É uma iniciativa muito avançada em alguns países da Europa e no Japão que nós temos a oportunidade agora de trazer para a região”, disse Eujácio Rodrigues.